Artigos de Acompanhamento Terapêutico em revistas

Compartilhe o bem!

Acompanhamento Terapêutico, Acompañamiento Terapéutico, Therapeutic Accompaniment

ARTIGOS DE AT EM REVISTAS:

  1. ALENCASTRE, Márcia Bucchi (1983). As condições sócio-econômico sanitárias do Atendente Psiquiátrico e sua relação com o trabalho que executa. Rev. Brasileira De Saúde Ocupacional. 11(42):27-29.
  2. ARAÚJO, A.; DEL PRETTE, A. (1998). O acompanhamento terapêutico no processo de reabilitação psicossocial de pacientes psiquiátricos com longa história de internação. Em M. C. Marquexine. M. A. Almeida, E. E. O. Tanaka, N. N. R. Mori & E. M. Shimazaki (Orgs.). Perspectivas Interdisciplinares em Educação Especial. Londrina (PR). pp. 203-206.
  3. BARBOZA, Ruy Fernando (1998). Uma alternativa para o manicômio. Viver Psicologia; 63(6):13.
  4. BARRETTO, Kleber Duarte (1999). Andanças com Dom Quixote e Sancho Pança pelos campos da transicionalidade: relatos de um acompanhante terapêutico. In:Natureza humana. EDUC. Vol. 1, n.1. p.208.
  5. BARRETTO, Kleber Duarte (1997). Acompanhamento Terapêutico: Uma Clínica do Cotidiano. In: Insight: Psicoterapia Ano VII-Nº73, São Paulo: Lemos Editorial, maio. p. 22-24.
  6. BEZERRA, Cíntia Guedes and DIMENSTEIN, Magda (2009). Acompanhamento terapêutico na proposta de alta-assistida implementada em hospital psiquiátrico: relato de uma experiência. Psicol. clin. [online]. Vol.21, n.1, pp. 15-32. ISSN 0103-5665.
  7. BOLZE, Simone D. A.; CASTOLDI, Luciana (2005). O acompanhamento familiar antes e depois da morte da criança: uma proposta de intervenção para o psicólogo hospitalar. Aletheia(21):79-91, jan.-jun.
  8. BRANDALISE, Brandalise; ROSA, Gabriela Lyra (2009). Estratégias clínicas: a construção de projetos terapêuticos e o acompanhamento terapêutico-at na atenção psicossocial. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. Vol.1, n. 2. Out/Dez. pp. 150-161.
  9. BRANDALISE, Brandalise; ROSA, Gabriela Lyra (2009). Velhas Estradas: Caminho Novo – Acompanhamento Terapêutico No Contexto Da Reforma Psiquiátrica. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. Vol. 1, n. 1, Jan/Abr. (CD-ROM).
  10. CAMARGO, Rodrigo Ferraz de (2004). Espaço e estrutura: o caso urbano. Mental;2(2):55-65, jun.
  11. CARNIEL, Aline Dadalte; PEDRÃO, Luiz Jorge (2005). A prática de acompanhante terapêutico com o portador de transtorno mental. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog;1(2)ago.
  12. CATHARSIS (1997). Acompanhante Terapeutico: entrevista com Osvaldo L. Amaral. Catharsis. 15(3):22-24set./out.
  13. DEUS, Ricardo Telles (2001). O Sirenista. Pulsional rev. psicanal;14(150):36-40, out.
  14. ENGEL, Daiane; GHAZZI, Mercês Sant’Anna; SILVA, Heloisa Cardoso da. (2014) Acompanhamento Terapêutico e a Relação Mãe-Bebê. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 34, n. 4, Dec. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932014000401045&script=sci_abstract&tlng=pt.
  15. ESTELLITA-LINS, Carlos; OLIVEIRA, Verônica Miranda  and  COUTINHO, Maria Fernanda. Clínica ampliada em saúde mental:cuidar e suposição de saber no acompanhamento terapêutico. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2009, vol.14, n.1, pp. 195-204. ISSN 1413-8123.
  16. ESTELLITA-LINS, Carlos, OLIVEIRA, Verônica Miranda de y COUTINHO, Maria Fernanda Cruz (2006). Acompanhamento terapêutico: intervenção sobre a depressão e o suicídio. Psyche (São Paulo), sep. 2006, vol.10, no.18, p.151-166. ISSN 1415-1138.
  17. ESTILOS DA CLÍNICA (2005). Revista sobre a Infância com Problemas. Dossiê: Acompanhamento terapêutico, São Paulo, v. X, n. 19, p.60-83, 2. semestre.
  18. FARAH, Itamar (1994a). A clínica do acompanhamento terapêutico: uma alternativa que pode dar certo: atendimento de pessoas portadoras de síndrome de Down (parte 2 – relato de caso). In: Temas sobre Desenvolvimento. 19(4):25-32jul./ago.
  19. FARAH, Itamar (1994b). A clínica do acompanhamento terapêutico: uma alternativa que pode dar certo: atendimento de pessoas portadoras de síndrome de Down (parte 1). In: Temas sobre Desenvolvimento. 17(3):35-37mar./abr.
  20. FERRAZ, Flávio Carvalho (1998). Quem gosta de ficar trancado? Época.
  21. FERROA, Luís Felipe, LUCINDO, Scheila Mara, VOZNIACH, Caroline Isabel, OLIVEIRA, Fernanda Rodrigues Leite de (2014). Demandas, subjetividade e processo terapêutico: construções e limitações do Acompanhamento Terapêutico. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 22, n. 3, p. 609-619, 2014. Disponível em:http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/vi
  22. FIORATI, Regina Célia; SAEKI, Toyoko (2008). O acompanhamento terapêutico na internação hospitalar: inclusão social, resgate de cidadania e respeito à singularidade. In.: Interface: Comunicação Saúde Educação. v.12, n.27, p.763-72, out./dez.
  23. FIORATI, Regina Célia y SAEKI, Toyoko (2006). O acompanhamento terapêutico: criatividade no cotidiano. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.81-90. ISSN 1415-1138.
  24. FRAGUAS, Veridiana; BERLINCK, Manoel Tosta (2001). Entre o pedagógico e o terapêutico: algumas questões sobre o acompanhamento terapêutico dentro da escola. Estilos clín;6(11):7-16.
  25. FREITAS, Ana Paula de (2003). O espaço cênico da rua: psicodrama e acompanhamento terapêutico com a terceira idade. Rev. bras. psicodrama;11(1):11-26.
  26. FUJIHIRA, Carolina Yuki (2006). Acompanhando a inclusão: um percurso ético. Psyche (Sao Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.101-108. ISSN 1415-1138.
  27. GERAB, Cristiana Kehdi; BERLINCK, Manoel Tosta (2012). Considerações sobre o enquadre na clínica do Acompanhamento Terapêutico. Estilos da Clínica, Vol. 17, Nº 1. Disponível em:http://scielor1.scielo.br/index.php/estic/article/view/7120.
  28. GORETTI, Amanda Cabral dos Santos; ALMEIDA, Sandra Francesca Conte de; LEGNANI, Viviane Neves (2014). A relação mãe-bebê na estimulação precoce: um olhar psicanalítico. Estilos clin., São Paulo, v. 19, n. 3. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282014000300003&lng=pt&nrm=iso.
  29. SANTOS, Lúcia Grossi dos; MOTTA, Juliana Meirelles; DUTRA, Maria Cristina Bechelany (2005). Acompanhamento terapêutico e clínica das psicoses. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol. VIII, n.3, setembro, pp. 497-514. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=233017541007.
  30. GUERRA, Andréa Máris Campos; MILAGRES, Andréa Franco (2005). quantos paus se faz um acompanhamento terapêutico?: contribuições da psicanálise a essa clínica em construção. Estilos clin., São Paulo, v.10, n.19, dez. Disponível emhttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282005000200004&lng=pt&nrm=iso.
  31. HERMANN, Maurício Castejón (2005). O significante e o real na psicose: ferramentas conceituais para o acompanhamento terapêutico. Estilos da Clínica, São Paulo, Dossiê: acompanhamento terapêutico, n.19, p. 132-153, 2º semestre.
  32. HERMANN, Maurício Castejón. (2001). Psiquiatria e psicopatologia: Acompanhamento Terapêutico. In: Revista Insight. nº 116, São Paulo, p.24-29.
  33. JUSTI, Mirella Martins (199?). Múltiplas possibilidades. Revista Viver Psicologia.
  34. LERNER, Rogério (2006). Matriz discursiva da contra-transferência: discussão ética acerca do acompanhamento terapêutico e de instituições de saúde mental. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.21-28. ISSN 1415-1138.
  35. LONDERO, Igor; PACHECO, Janaína Thais Barbosa (2006). Por que encaminhar ao acompanhante terapêutico? uma discussão considerando a perspectiva de psicólogos e psiquiatras. Psicol. estud. [online]. Vol.11, n.2, pp. 259-267.
  36. MAIA, Marisa Schargel; PIRIM, Mirian (1998). Considerações acerca do processo de reinserção psicossocial de pacientes graves. In: Insight Psicoterapia; 82(8):20-26mar.
  37. MAIA, Suzana Magalhães (2006). O acompanhamento terapêutico como uma técnica de manejo. Psyche (Sao Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.29-40. ISSN 1415-1138.
  38. MARTIN, Elisabete Villalobos; BETTARELLO, Sergio Vieira; LOUZA NETO, Mario Rodrigues (1993). Acompanhamento terapêutico: uma modalidade de intervenção psicoterápica. In: Insight Psicoterapia; 34(3):14-17out.
  39. MEIRA, Ana Marta (2013). As crianças na cidade e o acompanhamento terapêutico.Psicologia e Sociedade, 25 (n. esp. 2) 41-45. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/psoc/v25nspe2/v25nspe2a06.pdf.
  40. MOREIRA, Jacqueline de Oliveira (2003). Matrizes históricas do acompanhamento terapêutico: raízes e conceituação. Pulsional rev. psicanál;16(173):48-59, set.
  41. MUYLAERT, Marília Aparecida (2006). AT como dispositivo clínico: uma perspectiva da esquizoanálise. Psyche (Sao Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.109-114. ISSN 1415-1138.
  42. MYLIUS, Ruth (1963). O Atendente Psiquiátrico: Seleção Treinamento e Problemas. Rev. Arq. Clin. Pinel. 3(4):125-128.
  43. NETO, Fulgêncio Blaya Perez (1972). O paciente-atendente. VII Jornada De Psiquiat. Dinâmica. Pelotas, RS.
  44. NOGUEIRA, Anamaria Batista (2009). O acompanhamento terapêutico e sua caracterização em Betim e Belo Horizonte. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 204-222, agosto.
  45. NOGUEIRA, Anamaria Batista; PEREIRA, Angélica da Costa; Peixoto, Daniela Gurgel; DUTRA, Juliana Barbosa Rezende; SANTOS, Lúcia Grossi dos (2003). Pesquisando a história do acompanhamento terapêutico. Rev. psicol. plur(18):7-17.
  46. PALOMBINI, Analice de Lima (2009). Utópicas cidades de nossas andanças: flânerie e amizade no acompanhamento terapêutico. Fractal, Rev. Psicol. [online]. Vol.21, n.2, pp. 295-317.
  47. PALOMBINI, Analice de Lima. Acompanhamento terapêutico: dispositivo clínico-político (2006). Psyche (São Paulo), São Paulo, v.10, n.18, set. Disponível emhttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382006000200012&lng=pt&nrm=iso.
  48. PALOMBINI, Analice de Lima; CABRAL, Károl Veiga; BELLOC, Márcio Mariath (2005). Acompanhamento terapêutico: vertigens da clínica no concreto da cidade. Estilos clin., São Paulo, v.10, n.19, dez. Disponível emhttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282005000200003&lng=pt&nrm=iso.
  49. PALOMBINI, Analice de Lima (1999). O Louco e a Rua: A Clínica em Movimento Mais Além das Fronteiras Institucionais. In: Educação, Subjetividade e Poder. Porto Alegre. Número 6, v. 6. p. 25-31. Agosto.
  50. PELLICCIOLI, Eduardo (2007). A prática psicológica do acompanhamento terapêutico sob a perspectiva de uma articulação ética. Revista Psicologia em Foco. v. 1, n. 1. Disponível em:http://revistas.fw.uri.br/index.php/psicologiaemfoco/article/view/1128.
  51. PEREIRA, Cilene (1999). Lição vitoriosa. Isto É. Nº 1569. 27 de outubro.
  52. PEIXEIRO, Maíra Humberto (2006). A clínica do acompanhamento terapêutico: intervenções quando a recusa toma a cena. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.67-80. ISSN 1415-1138.
  53. PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; FUREGATO, Antonia Regina Ferreira (2009). O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental. Interface: Comunicação e Saúde, Educ., v.13, n.30, p.67-77, jul./set.
  54. PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; SANTOS, Manoel Antônio dos (2006). O acompanhamento terapêutico como estratégia de continência do sofrimento psíquico. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog;2(2)ago.
  55. PITIA, Ana Celeste de Araújo (2006). Um olhar sobre o acompanhamento terapêutico pelo conceito reichiano de auto-regulação social. Psyche (Sao Paulo), sep., vol.10, no.18, p.141-150. ISSN 1415-1138.
  56. PORTO, Mauricio (1997). Quarto-mundo. Percurso;18(9):51-58jan./jun.
  57. QUAGLIATTO, Helga de Souza Machado e SANTOS, Ricardo Gomides (2004). Psicoterapia psicanalítica e acompanhamento terapêutico: uma aliança de trabalho. Psicol. cienc. prof., mar. Vol.24, no.1, p.74-81. ISSN 1414-9893.
  58. RAHME, Mônica Maria Farid; MRECH, Leny Magalhães (2014). Os efeitos da inserção escolar para alunos pouco convencionais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 25, n. 57, p. 114-137, jan./abr. Disponível em:http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/viewFile/2826/2699.
  59. REIS NETO, Raymundo de Oliveira; TEIXEIRA PINTO, Ana Carolina  and OLIVEIRA, Luiz Gustavo Azevedo (2011). Acompanhamento terapêutico:história, clínica e saber. Psicol. cienc. prof. [online]. vol.31, n.1, pp. 30-39. ISSN 1414-9893.  http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932011000100004.
  60. RIBEIRO, Thais da Cruz Carneiro (2002). Acompanhar é uma barra: Considerações Teóricas e Clínicas Sobre o Acompanhamento Psicoterapêutico. Revista Psicologia Ciência e Profissão. 22 (2). p. 78-87.
  61. SAFRA, Gilberto (2006). Placement: modelo clínico para o acompanhamento terapêutico. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.13-20. ISSN 1415-1138.
  62. SALOTTI, Maria Regina Ribieiro e FRANCA, Sonia Aparecida Moreira (1997). Acompanhamento terapêutico: prática dinâmica de ocupação do espaço urbano.Vertentes; 3: p. 111-118.
  63. SANTOS, Lúcia Grossi dos; MOTTA, Juliana Meirelles; DUTRA, Maria Cristina Bechelany (2005). Acompanhamento terapêutico e clínica das psicoses. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol. 8, núm. 3, septiembre, pp. 497-514. Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. São Paulo, Brasil.
  64. SANTOS, Lúcia Grossi dos; NOGUEIRA, Anamaria Batista; DUTRA, Juliana Barbosa Rezende (2002). O acompanhamento terapêutico como dispositivo clínico na reinserção social do psicótico. Rev. psicol. plur(16):99-120.
  65. SERENO, Deborah (2012). Sobre a ética no acompanhamento terapêutico (AT). In.: Psicologia Revista. São Paulo, volume 21, n.2, 217-232, 2012.
  66. SERENO, Deborah (1995). Acompanhamento terapêutico e produção de cinema: pesquisa para o curta-metragem “Dizem que sou louco”. Percurso. 14(8):22-26jan./jun.
  67. SERENO, Deborah (2006). Acompanhamento terapêutico e educação inclusiva. Psyche (Sao Paulo), sep., vol.10, no.18, p.167-179. ISSN 1415-1138.
  68. SILVA, Alex Sandro Tavares da (2000). A “Clínica de Rua”: Acompanhamento Terapêutico. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. V. 22 – Número 3 – Setembro/Dezembro. p. 244.
  69. SILVA, Alex Sandro Tavares da; SILVA, Rosane Neves da (2006). A emergência do acompanhamento terapêutico e as políticas de saúde mental. In: Psicologia : ciência e profissão. Brasília Vol. 26, n.2, p. 210-221.
  70. SIMÕES CHD, KIRSCHBAUM, DIR (2005). Produção científica sobre o acompanhamento terapêutico no Brasil de 1960 a 2003: uma análise crítica. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre (RS), dez; 26(3):392-402.
  71. SOUZA, Alexandre Moreira de; CABRIT, Elaine Costa; COSTA, Elaine; KODA, Mirna Yamazato; RAMALHO, Simone Aparecida (2004). O acompanhamento terapêutico: uma estratégia de reabilitação psicossocial. Psicol. rev;13(2):89-96, nov.
  72. TAFURI, Maria Izabel. A clínica psicanalítica e o trabalho de acompanhamento terapêutico: uma interseção possível? In: II Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental (2006). Disponível em:http://pt.fundamentalpsychopathology.org/uploads/files/ii_congresso_internacion
  73. VANNUCHI, Camilo (199?) Mais do Que Amigo: Profissionais saem dos consultórios e acompanham doentes mentais em passeios e viagens. Isto É, edição: 1617.
  74. VARELLA, Maria do Rosário Dias, LACERDA, Fernanda y MADEIRA, Michelângela (2006). Acompanhamento terapêutico: da construção da rede à reconstrução do social. Psyche (Sao Paulo), sep., vol.10, no.18, p.129-140. ISSN 1415-1138.
  75. VASCONCELOS, M. F. F.; MACHADO, D. O.; MENDONÇA, M (2013). Acompanhamento terapêutico e reforma psiquiátrica: questões, tensões e experimentações de uma clínica antimanicomial. Psicologia e Sociedade, 25 (n. esp. 2) 95-107. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/psoc/v25nspe2/v25nspe2a13.pdf.
  76. VELOZO, Renata Simões; SERPA JÚNIOR, Octávio Domont (2006). O Acompanhante Terapêutico “em ação” no campo público da assistência em saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v.IX, n.2, p.318-338, jun.
  77. YAGIU, Hailton. Reflexões sobre o enquadre no acompanhamento terapêutico. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.91-100. ISSN 1415-1138.
  78. ZILBERLEIB, Carlota Maria Oswald Vieira (2006). O acompanhamento terapêutico e as relações de objeto em pacientes-limites. Psyche (São Paulo), sep. Vol.10, no.18, p.53-66. ISSN 1415-1138.
  79. ZIMERMAN, David E. (1961). Atendente Psiquiátrico: Elemento Básico no Tratamento Hospitalar . Rev. De Psiquiat. Do CELG. 1(1, 2, 3): 39-40.
  80. ZIMERMAN, David E. (1961). O Atendente Psiquiátrico como fator Terapêutico Hospitalar. Rev.Arq. Clin. Pinel. 1(3): 123-126.