Da hospitalização ao Acompanhamento Terapêutico na rua: um novo jeito de fazer saúde mental

Compartilhe o bem!

Resumo: o presente artigo busca descrever a evolução da saúde mental no Brasil, partindo do modelo hospitalocêntrico, passando pela Reforma Psiquiátrica, chegando à construção do Acompanhamento Terapêutico e ao setting utilizado para o desenvolvimento desta técnica.

Palavras- chave: acompanhamento terapêutico, setting, saúde mental.

 

Da hospitalização ao Acompanhamento Terapêutico na rua: um novo jeito de fazer saúde mental

 

Introdução

Este artigo tem com objetivo visualizar o surgimento e o desenvolvimento do Acompanhamento Terapêutico (AT) no Brasil, retomando a história precedente desde a criação do primeiro hospital psiquiátrico brasileiro, a Reforma Psiquiátrica e concomitante a ela o surgimento das novas formas de se pensar em tratamento para a saúde mental, culminando local de ação terapêutica do AT: as ruas da cidade.

O artigo é divido em quatro seções, sendo a primeira sobre a história da loucura no Brasil, que remete a fatos do século XIX, contando o tratamento dado a doentes, baseado no modelo hospitalocêntrico. A segunda seção aborda as novas práticas terapêuticas através da mudança de comportamento que culmina na Reforma Psiquiátrica brasileira. Na seção seguinte é abordado o surgimento do AT na Argentina e a expansão dele no Brasil, considerando as funções do acompanhante terapêutico (at) e como o trabalho é realizado. A última parte do artigo expõe o setting de AT, onde o sujeito é reinserido na sociedade.

História da loucura no Brasil

A hospitalização da loucura no Brasil se iniciou através da criação do Hospício Pedro II, na cidade do Rio de Janeiro, em 1852, baseado nas ideias de Pinel (Poz, Lima & Perazzi, 2012) de que sujeitos que sofriam de perturbações mentais deveriam ser tratados em hospitais próprios e não de forma violenta.

Nos anos anteriores à criação do hospício, os brasileiros alienados eram tratados de acordo com sua condição financeira; os pobres fora de surto geralmente circulavam a toa pelas ruas da cidade, enquanto os agressivos eram amarrados em celas e os ricos permaneciam trancados em casa ou eram enviados à Europa (Moreira, 1903). Hospitais psiquiátricos se espalharam pelo Brasil como um reduto de doentes mentais resguardados do contato social onde se propunha o asilo e não o tratamento das pessoas, como sugerira Pinel (Oda & Dalgalorrondo, 2005).

Desde então o modelo de hospitalização psiquiátrica se manteve vigente no Brasil, mantendo os pacientes em situação de asilamento, resultando na contribuição para a cronicidade da doença e o isolamento dos familiares, a fim de proteger a segurança dos demais e a ordem pública (Gonçalves & Sena, 2001).

No entanto, no final do século XIX, se iniciaram os movimentos reformistas sob a influência do psiquiatra Juliano Moreira ao defender que doenças psiquiátricas não advinham da miscigenação de raças, mas de fatores causais (Oda & Dalgalorrondo, 2000). Através desta percepção, Moreira passou a humanizar o atendimento a doentes asilados e ver os pacientes como seres sociais (Portocarrero, 2002), levando conscientização das autoridades políticas e, consequentemente, a criação da Lei de Assistência aos Alienados, em 1903 (Presidência da República, 1903), e da Liga Brasileira de Higiene Mental em 1923 com o objetivo de aprimorar o atendimento aos doentes (Seixas, Mota & Zilbreman, 2009), propulsoras da Reforma Psiquiátrica.

Reforma Psiquiátrica

O final da década de 1970 foi o marco brasileiro para o início dos movimentos antimanicomiais e antipsiquiatria (Lins, Oliveira & Coutinho, 2009), bastante propagados na Europa nos anos anteriores (Londeiro & Pacheco, 2006), concretizados pelo Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental (MTSM) (Brasil, 2005).

O MTSM eclodiu em 1978, e dele faziam parte trabalhadores integrantes do movimento sanitário, sindicatos, associações e pacientes com histórico longo de internações psiquiátricas que criticavam o modelo hospitalocêntrico, a banalização da loucura e as formas de tratamento dada aos pacientes (Brasil, 2005).

Além deste movimento, a Declaração de Caracas, de 1990, e as Conferências Nacionais de Saúde, de 1987, 1992, 2001 e 2010 foram marcos importantes para a concretização da Reforma Psiquiátrica Brasileira, por buscarem a proteção dos direitos dos pacientes psiquiátricos e novos modelos de assistência alternativos à hospitalização (Cordeiro, Oliveira & Souza, 2011; Brasil, 2012).

A partir disso as práticas terapêuticas se tornaram objeto de discussão (Gonçalves & Sena, 2001) e surgiram as primeiras propostas sobre como reinserir o sujeito na sociedade através de serviços assistenciais comunitários (Cordeiro, Oliveira & Souza, 2011; Poz, Lima & Perazzi, 2012; Daker, 2012). No ano de 1987, quando é realizada a I Conferência Nacional de Saúde Mental no Rio de Janeiro e o II Congresso Nacional em Bauru, sob lema “Por uma sociedade sem manicômios”, a cidade de São Paulo recebe o primeiro Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), e Santos recebe o Núcleo de Atenção Psicossocial (NAPS) mostrando efetivamente que hospitais psiquiátricos podem ser substituídos por medidas ambulatoriais sociais (Brasil, 2005; Mororó, Colvero & Machado, 2011; Amarante, 1995; Lins, Oliveira & Coutinho, 2009).

O NAPS surgiu em decorrência do CAPS que visa substituir os hospitais psiquiátricos por meio de atendimento clínico diário, evitar internações (Safra, 2006) e favorecer a inserção social de pacientes com transtornos mentais (Brasil, 2005).

Nos anos seguintes a política envolveu-se cada vez mais com a saúde, decorrentes da criação do SUS e da proposta de lei do Deputado Paulo Delgado, que regulamenta o direito dos pacientes com transtornos mentais e o fim progressivo dos hospitais psiquiátricos (Brasil, 2011), que só seria aprovada doze anos depois. O Sistema Único de Saúde (SUS) é criado em 1988 com o objetivo de promover, prevenir e dar assistência de saúde igualitária aos brasileiros.

Em 1991 e 1992 o Ministério da Saúde cria portarias para que o SUS financie procedimentos assistenciais de saúde (Amarante, 1995), levando a uma diminuição no investimento dos recursos destinados saúde mental (Brasil, 2005).

No ano de 2001, a Lei 10.216, de autoria do Deputado Paulo Delgado, que institui a reforma psiquiátrica, é sancionada no Brasil (Brasil, 2005; Presidência da República, 2001). É aprovado um modelo substitutivo para a internação, redirecionando os serviços para bases comunitárias, estabelecendo direitos e proteção para sujeitos portadores de transtornos mentais (Brasil, 2005; Presidência da República, 2001).

O Ministério da Saúde implementou os serviços do CAPS em todo o Brasil (Amarante,1995; Brasil, 2011) e propagou o atendimento nestes, em ambulatórios, residências terapêuticas, hospitais gerais e centros de convivência, substituindo as internações em hospitais psiquiátricos para CAPS 24 horas (Brasil, 2005; 2011; 2012).  

Acompanhamento Terapêutico no Brasil

O “nome” AT surgiu na Argentina no final da década de 1960 através do movimento de psicólogos, psicanalistas e psiquiatras a fim de superar o modelo manicomial para tratamento de doentes mentais (Brasil, 2005; Pulice, 2012).

No Brasil o AT, que iniciara trabalhando dentro dos hospitais psiquiátricos como auxiliar (Safra, 2006; Ibrain, 1991), se propagou e tomou conta das ruas e das casas dos doentes a partir da Reforma Psiquiátrica e da criação de tratamentos substitutivos do modelo hospitalocêntrico (Brasil, 2005).

O AT se caracteriza pelo trabalho assistencial (Mauer & Resnizky, 1987) fora do setting terapêutico clínico (Silva, 2003) e tem por objetivo reinserir o sujeito que está excluído, introduzindo-o ao mundo social (Lins, Oliveira & Coutinho, 2009; Cabral, 2005) através da circulação (Porto & Sereno, 1991) e da utilização do espaço público como propulsor do ato terapêutico (Cesarino, 1991).

O trabalho é realizado através da atuação at que tem como função amparar (Freud, 1996), conter simbolicamente (Silva, 2003; Gerab, 2010; Neto, Pinto, & Oliveira 2011), emprestar o ego (Gerab, 2010; Camargo, 1991), servir como catalisador das relações familiares (Gerab, 2010), facilitar a exploração do ambiente domiciliar e público (Neto, Pinto, & Oliveira, 2011), através de um clima seguro que permita novas vivências (Camargo, 1991), e conceder ao paciente o seu lugar no mundo (Safra, 2006; Carvalho, 2004).

Por meio da relação com a comunidade e com o at, o sujeito pode agir na sociedade de forma simbólica (Barreto, 1997), retomando o contato com os outros e com suas atividades de maneira saudável.

Setting do AT

Setting é um termo psicanalítico proposto por Freud que pode ser descrito como o conjunto de todas as combinações existentes em uma análise que vão desde o número de sessões aos honorários (Freud, 1996; Zimerman, 2005), ou seja, é a proposta do trabalho que será desenvolvida com o paciente (Etchegoyen, 1987) e a contenção das manifestações psíquicas (Bion, 1962).

No AT o setting é ambulante (Fulgêncio, 1991), se faz em movimento, sem se fixar a um lugar específico (Neto, Pinto, & Oliveira, 2011), se estabelecendo em qualquer local onde paciente e terapeuta estejam juntos (Fulgêncio, 1991).  O trabalho é realizado na cidade (Palombini, 2007), a céu aberto (Palombini, 2007), na rua, em bares, restaurantes, cinemas, no trabalho, na escola, em casa, nas viagens com a família, em casa, ou seja, nos locais onde seja possível reinserir o sujeito à sociedade, ajudando-o a criar uma rotina social e a devolver a autonomia perdida.

Os locais de atuação do AT são nômades (Rolnik, 2000), superando os muros asilares e domiciliares (Lins, Oliveira & Coutinho, 2009), criando a possibilidade da intervenção em saúde coletiva de modo substitutivo à prisão domiciliar para pessoas com transtornos mentais, permitindo que a loucura seja expressada pelo paciente e protegida pelo terapeuta (Lins, Oliveira & Coutinho, 2009).

Considerações finais

O trabalho de Acompanhamento Terapêutico se inseriu no Brasil com o surgimento da Reforma Psiquiátrica, estabelecendo que pacientes com transtorno mental devam estar em tratamento no contato com a realidade e não enclausurado em hospitais psiquiátricos que não tem tendência terapêutica (Foucalt, 1989).

Desde então a maneira de pensar sobre saúde coletiva e assistencial vem mudando e a clínica itinerante do AT está se propagando, pela grande demanda de pacientes que há anos – quiçá séculos – estão desassistidos.

A escuta em um espaço compartilhado e público é capaz de conter simbolicamente o que em outras épocas levaria a uma internação (Neto, Pinto & Oliveira, 2011). Por este motivo, existe um potencial grande para o desenvolvimento do trabalho de at que a área da psicologia, acompanhada de outras diversas, deve se apoderar, aprofundar, compreender e agir perante estes sujeitos tão diferentes e tão iguais a nós. 

Referências

  1. Amarante P. (1995). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. (2ª ed.) Rio de Janeiro: Fiocruz.
  2. Amarante, P. (1995). Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública, 11(3), 491-494.
  3. Barreto, K. D. (1997). Uma proposta de visão ética no acompanhamento terapêutico. Em A Casa, Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia (Org.). Crise e Cidade. São Paulo: EDUC.
  4. Bion, W. R. (1962). O Aprender com a Experiência. Rio de Janeiro.
  5. Brasil. (2005). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas, OPAS. Brasília.
  6. Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão 20072010. Ministério da Saúde: Brasília.
  7. Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Portal da Saúde. O que é reforma psiquiátrica. Ministério da Saúde: Brasília.
  8. Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Declaração Caracas. Ministério da Saúde: Brasília.
  9. Cabral, K. V. (2005). Acompanhamento terapêutico como dispositivo da reforma psiquiátrica: considerações sobre o setting. Trabalho de conclusão do curso de pós-graduação em Psicologia Social e Institucional pela UFRGS. Retirado em 08 ago. 2012 de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10 183/7429/000544246.pdf?sequence=1
  10. Camargo, E. M. (1991). O Acompanhamento Terapêutico e a Clínica. Em Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia A Casa (Org.). A rua como espaço clínico. São Paulo: Escuta.
  11. Carvalho, S. S. (2004). Acompanhamento terapêutico: que clínica é essa? Annablume: São Paulo.
  12. Cesarino, A. C. (1991). A rua e o social de casa um. Em Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia A Casa (Org.). A rua como espaço clínico. São Paulo: Escuta.
  13. Cordeiro, L. R., Oliveira, M. S., & Souza, R. C. (2011). Revista da Escola de Enfermagem – USP, 46(1), 115-119. 
  14. Daker, M. V. (2012). Reforma psiquiátrica: política, paradigma epistemológico, assistência e cultura. História, Ciência, Saúde, 19(2), 764-768.
  15. Etchegoyen, R.H. (1987). Fundamentos da técnica psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas.
  16. Freud, S. (1996). Sobre o início do tratamento. Em S. Freud, Obras completas. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1913).
  17. Freud, S. (1996). Além do Princípio do Prazer. Em S. Freud, Obras completas. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1920).
  18. Fulgêncio, L. (1991). Intepretando a História. A Casa, Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia (Org.). A rua como espaço clínico. São Paulo: Escuta.
  19. Gerab, C. K. (2010). Territórios do acompanhamento terapêutico. Revisa Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 13(2), 352-355.
  20. Gonçalves, A. M., & Sena, R. R. (2001). A reforma psiquiátrica no Brasil: contextualização e reflexos sobre o cuidado com o doente mental na família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 9(2), 48-55.
  21. Ibrahim, C. (1991). Do Louco à loucura: o percurso do auxiliar psiquiátrico no Rio de Janeiro. Em A Casa, Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia (Org.). A rua como espaço clínico. São Paulo: Escuta.
  22. Lins, C. E., Oliveira, V. M., & Coutinho, M. F. (2009). Clínica ampliada em saúde mental: cuidar e suposição de saber no acompanhamento terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 205-215.
  23. Londeiro, I., & Pacheco, J. T. (2006). Por que encaminhar ao acompanhante terapêutico? Uma discussão considerando a perspectiva de psicólogos e psiquiatrias. Psicologia em Estudo, 11(2), 259-267.
  24. Londeiro, I., & Pens, M. (2010). Contextualizando o acompanhamento terapêutico as terapias cognitivas comportamentais. Em Londeiro, I. (Org.), Acompanhamento Terapêutico: Teoria e Técnica na Terapia Comportamental e Cognitivo-comportamental. Santos: Livraria Santos.
  25. Mauer, S. K., & Resnizky, S. (1987). Acompanhantes terapêuticos e pacientes psicóticos: Manual introdutório a uma estratégia clínica. Papirus: São Paulo.
  26. Moreira, J. (1903). Notícia sobre a evolução da assistência a alienados no Brasil. Em Arquivo brasileiro de Neuriatria e Psiquiatria. Rio de Janeiro.
  27. Mororó, M. E., Colvero, L. A., & Machado, A. L. (2011). The challenges of comprehensive care in a Psychosocial Care Center and the development of therapeutic projects. Revista da Escola de Enfermagem – USP, 45(5), 1167–1172.
  28. Neto, R. O., Pinto, A. C., & Oliveira, L. G. (2011). Acompanhamento terapêutico: história, clínica e saber.  Psicologia: Ciência e Profissão, 31(1), 30-39.
  29. Oda, A. M. & Dalgalorrondo, P. (2000). Memória: Juliano Moreira: um psiquiatra negro frente ao racismo cinetífico. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(4), 178-179.
  30. Oda, A. M. & Dalgalorrondo, P. (2005). História das primeiras instituições para alienados no Brasil. Histórias, Ciências, Saúde, 12(3), 983-1010.
  31. Palombini, A. (2007). Vertigens de uma psicanálise a céu aberto: a cidade: contribuições do acompanhamento terapêutico à clínica na reforma psiquiátrica. Trabalho de conclusão do curso de Doutorado em Saúde Coletiva pela UERJ. Retirado em 08 ago. 2012 de http://www.lume.ufrgs .br/bitstream/handle/10183/10191/000596452.pdf?sequence=1
  32. Porto, M & Sereno, D. (1991). Sobre acompanhamento terapêutico. Em Em A Casa, Equipe de acompanhantes terapêuticos do Hospital-Dia (Org.). A rua como espaço clinico: acompanhamento terapêutico. São Paulo: Escuta.
  33. Portocarrero, V. (2002). Arquivos da loucura: Juliano Moreira e a descontinuidade histórica da psiquiatria. Rio de Janeiro: Fiocruz.
  34. Poz, M. R., Lima, J. C, & Perazzi, S. (2012). Força de trabalho em saúde mental no Brasil: os desafios da reforma psiquiátrica. Physis, Revista de Saúde Coletiva, 22(2), 621-639.
  35. Presidência da República. (1903). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto número 1.132. Brasília.
  36. Presidência da República. (2001). Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei número 10.216. Brasília. 
  37. Pulice, G. O. (2012). Del mito de origen a la situación actual del acompañiamento terapêutico em latinoamérica. Em A. T. Silva (Org.), E-Book At: Conexões clínicas no Acompanhamento Terapêutico. Porto Alegre.
  38. Rolnik, S. (2000). Esquizoanálise e antropofagia. Em E. Alliez (Org.),  Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34.
  39. Safra, G. (2006). Placement: modelo clínico para o acompanhamento terapêutico. Psychê, 18, 13-20.
  40. Seixas, A. A., Mota, A., & Zilbreman, M. L. (2009). A origem da liga brasileira de higiene mental e seu contexto histórico. Revista de psiquiatria RS, 31(1), 82.
  41. Silva, A. S. (2003). A Psicologia tomando a “rua” como setting: o “fazer andarilho”. Em W. Jacques (et al.). Histórias e Memórias de Psicologia: Trabalhos premiados no concurso comemorativo dos 40 anos de regulamentação da profissão de Psicólogo no Brasil. CRP – 7º Região: Porto Alegre.
  42. Zimerman, D.  (2005). Psicanálise em perguntas e respostas: verdades, mitos e tabus. Porto Alegre: Artmed.

Autora: Marina Ortolan Araldi – Psicóloga. Formada no “Curso de Capacitação em Acompanhamento Terapêutico” da CTDW. Rua Quintino Bocaiúva, 655, bairro Floresta, Porto Alegre – RS, Brasil, CEP 90440-051. Fone (51) 9245-0033. E-mail: [email protected]Facebook.

Da hospitalização ao Acompanhamento Terapêutico na rua: um novo jeito de fazer saúde mental
Você Pode Avaliar?

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: